Como nasceram as nossas roupas…

Como nasceram as nossas roupas…

O começo do começo

Há quase 5 anos, a Mater Originalis nascia. Volto outro dia pra contar sobre esse começo, tá? 😉

Começamos fabricando wrap sling em malha de algodão e slings de argolas em tecido. Depois veio o pouch sling em algodão.  Depois vieram outros e outros, mas vamos parar a história aqui por enquanto.

Resíduo têxtil

Da produção do wrap e do pouch sling em malha de algodão sempre sobrava um resíduo de malha. Uma largura razoável de malha, dependendo do tipo do carregador. Mas era algo que não era suficiente pra fazer um novo sling. Eu não sabia ainda o que fazer com aquilo. Mas era uma malha de qualidade, cores lindas, etc e tal. Então guardava no ateliê. O conceito de sustentabilidade ainda não era claro pra mim, conscientemente. Eu sabia que não podia jogar tudo aquilo no lixo, mas também não sabia como lidar com as sobras.

As vendas de slings foram aumentando e as sobras de malhas foram fazendo uma pilha enorme.

Final de 2013, eu já estava grávida dos gêmeos. Trabalhando bastante, costurava ainda sozinha, mas estava planejando terceirizar a costura de algumas peças. Fabricio, meu marido, olhava a pilha de sobras de malha e falava: isso tem que se transformar em alguma coisa! Eu relutei muito em ouvi-lo. Sim, muito. Mas finalmente resolvemos: as tiras compridas de malha de algodão vão virar calças infantis! Temos um filho, vamos ganhar mais dois, simbora fazer calça pra essa filharada!

O começo

E sabe como eu comecei?

Minha tia me ajudou com uns moldes de calça de bebê. É, com dois bebês a caminho, fizemos moldes de bebê e passei pra costureira fazer vááárias calcinhas miúdas. Afinal, dois bebês deviam sujar muita roupa, né? (E sujavam)

Eu fiz um molde de calça no tamanho do Ícaro. Costurei uma peça piloto com uma perna azul e outra verde.

Ela era carinhosamente apelidada entre nós por “calça coringa”

Fiz os ajustes no meu “molde” e mandei pra costureira fazer várias calças.

Finalmente tínhamos calça em quantidade pra criançada usar.

Fiz uns moldes de regatas.

A essa altura tínhamos calça básica e regata. Tudo colorido, em ótima malha, mas modelado toscamente por mim. 😀

Era ótimo ter roupas em abundância para os meus filhos. Criança suja muita roupa, né não?

Mas o acabamento do meu molde totalmente caseiro estava me incomodando.

E então chega a modelista de verdade

Os caminhos maravilhosos da vida me fizeram conhecer a Fernanda: uma mulher incrível, que tem uma marca super estilosa de roupas pra adultos, já teve marca infantil, costura super bem e faz moldes com perfeição.

Rá! Nossas roupas agora são produzidas a partir dos moldes que a Fernanda elabora especialmente pra Mater Originalis. A calça básica e a regatinha ganharam moldes novos. E outras peças passaram a fazer parte das nossas coleções.

Se todas as nossas roupas têm um caimento perfeito, são confortáveis, bonitas, lindas e maravilhosas, tem o dedo da “nossa” modelista ali.

Bom, agora os resíduos da produção dos carregadores são insuficientes pra produzir o tanto de roupa que a gente produz. Já usamos outros materiais para os carregadores além da malha.

Mas eles foram um excelente pontapé inicial, isso foram.

Hoje em dia, os materiais são comprados exclusivamente pras roupas. Pesquiso materiais, experimento, escolho cuidadosamente cada “pano” que vai vestir as minhas crianças e as suas.

E o resíduo da produção das roupas..? Ah! Isso é papo pra uma longa conversa.

 

 

Lívia, #maede1mais2, criadora da Mater Originalis, curte morar na roça, ama cozinhar e estar conectada com o universo da maternidade. foto de perfil por @Alê Rocha Fotografia

Artigos Relacionados

Deixar Resposta